6.12.12

Niemeyer e o belo comunismo







Estive apenas uma vez com Oscar Niemeyer, na abertura de um evento para estudantes ocorrido na Escola de Comunicação da UFRJ. O ano me é incerto, algo entre 1998 e 2000. O arquiteto ainda não tinha 100 anos. Sobre o que era o evento tampouco me lembro. Fomos lá para vê-lo, como mito e símbolo que era.

Quando lhe passaram a palavra, Niemeyer foi breve: não mais que um punhado de frases, por uns dois minutos. A idade ainda não lhe tinha roubado o porte, a altura e a voz, que encerrou firme: “Ainda é preciso fazer a revolução”.

Foi longamente aplaudido. Adolescentes querem a revolução, a subversão imediata do sistema de coisas que os lembra de seus pais, das leis enfadonhas que proíbem quase tudo que se quer fazer. Ver um homem se estender em anos com essa mesma retórica era sedutor, embora o comunismo já tivesse virado pó no Leste Europeu. Cuba minguava, e a Coreia do Norte era em nada atraente.

Por tudo isso, Niemeyer me soou ali adolescente, ingênuo.

Quando o Muro de Berlim caiu, em 1990, Niemeyer tinha 82 anos e havia muito sabia dos assassinatos e perseguições que Stalin empreendeu em nome do regime comunista na URSS. Em nenhuma oportunidade retratou-se, como fez a contragosto o historiador marxista Eric Hobsbawm, morto neste ano. Faria diferença?

Bem pouca. Niemeyer não era historiador, nem foi guerrilheiro, nem político. Seu ideário balizou sua incrível perspectiva arquitetônica – era parte dela e, àquela altura, seria difícil mudar. As superquadras de Brasília, os edifícios sem grades na Praça dos Três Poderes, o multiclassista Copan, tudo isso dá testemunho de uma visão equalizante dos homens. Pode ser interpretada como uma igualdade autoritária. A favor de Niemeyer está o fato de que "autoritário" e "autoral" surgem da mesma raiz.

É possível dizer que sua arquitetura foi o único projeto comunista belo e aceitável, enquanto os regimes se mostraram repulsivos. Ao se manter irredutível, Niemeyer protegeu uma das vigas-mestras de sua arte – erigidas desde os anos 1950, quando forjou os símbolos de Brasília – e com ela sustentou uma concepção mundialmente vitoriosa, que o guiou até o fim.

Oscar Niemeyer concordou em pagar o preço de soar ingênuo, hipócrita ou ultrapassado – e sua idade foi nos conduzindo à opção mais gentil. Mas nada disso o impediu de morrer genial.

2 comentários:

ISA disse...

Eu só queria dizer que de todos que já li, esse foi, talvez, o mais eloquente e elegante dos seus textos.

Gostei muito! <3

Nicolae Sofran disse...

Niemeyer, o Grande Idiota Útil Burguês degenerado de Copacabana, era "comunista" no Brasil e sua "arquitetura moderna" nos países comunistas foi proibida como, burguesa e lixo capitalista! Por isso que esse Idiota Útil nunca construiu algo em algum país comunista onde não queria viver em Moscou ou Havana, mas sim, preferiu Paris!